Diante da preocupação dos moradores, devido ao falecimento de uma criança de sete anos, com suspeita de meningite viral, a Prefeitura de Olímpia, por meio da Secretaria de Saúde, intensifica a orientação sobre a doença, bem como as explicações sobre as vacinas disponíveis na rede pública, a fim de tranquilizar os moradores, uma vez que não há surto da doença no município.

De manhã, uma estranha nota circulou pela internet, inclusive através de pessoas e mães que se alarmaram. O Diário só recebeu agora, após solicitação, essa matéria.

A meningite é uma inflamação nas membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, sendo de dois tipos mais comuns: bacteriana e viral. Os principais sintomas dos dois tipos da doença são dor de cabeça, febre, vômito, além de rigidez na nuca.

Segundo o setor de Vigilância Epidemiológica, todas as vacinas da rede pública são determinadas e disponibilizadas pelo Ministério da Saúde. No caso da meningite, os municípios oferecem gratuitamente apenas as vacinas para prevenir a meningite bacteriana, que é o tipo mais grave e perigoso da doença.

Em Olímpia, todas as Unidades de Saúde possuem estoque das vacinas que auxiliam na prevenção da doença e fazem parte do calendário vacinal, sendo elas:

  • Meningocócica C: destinada a crianças de 3, 5 e 12 meses e adolescentes de 11 a 14 anos, a vacina imuniza contra meningite C (meningocócica), que é a mais grave e comum e com maior incidência de óbitos.
  • Pneumocócica 10: aplicada em crianças com idades de 2, 4 e 6 meses, a vacina protege contra 10 tipos de doença, entre elas, a meningite pneumocócica.
  • Pentavalente: direcionada a crianças de 2, 4 e 6 meses, a vacina Pentavalente protege contra diversas doenças, entre elas as que são causadas pela bactéria Haemophilus tipo B, como a meningite. A vacina imuniza ainda contra difeteria, tétano, coqueluche e hepatite B.

Há ainda a vacina Meningogócica B, que protege contra a meningite B, forma menos incidente da doença. Esta chegou ao Brasil nos últimos anos e não faz parte do Programa Nacional de Imunização, estando disponível apenas na rede privada.

Já a meningite viral é menos grave e não possui um vírus específico causador da doença, podendo, acometer pacientes de diferentes formas, por isso, também não há uma vacina específica. Na maioria dos casos, os pacientes se recuperam sem sequelas, com baixa taxa de mortalidade. Além disso, este tipo de meningite não exige profilaxia em familiares ou pessoas que convivem com o paciente.

A Saúde ressalta a importância de os moradores manterem a caderneta de vacinação em dia e que, em caso de dúvidas, o cidadão deve entrar em contato com a Unidade Básica de Saúde mais próxima ou com a Vigilância Epidemiológica pelo telefone (17) 3279-1400.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA