Pelo menos quatro criminosos arrombaram dois cofres do Banco do Brasil, de Olímpia, com muta facilidade, no último final de semana, provavelmente, de sábado (5) para domingo (6). O Diário entrevistou o delegado responsável pelo caso, Ricardo Afonso Rodrigues, que preferiu não gravar, nem vídeo, nem a sua fala, mas forneceu os detalhes que não atrapalhariam as investigações. O Diário foi o primeiro veículo a informar com detalhes em live exclusiva, no início da tarde desta segunda.

Segundo o delegado, a facilidade dos criminosos foi que a agência não possui câmeras de segurança, pois não registraram a movimentação. O responsável pela agência, que registrou o Boletim de Ocorrência, Luiz Antonio de Siqueira Júnior, informa que constatou o arrombando dos cofres por volta das 8h33 desta segunda-feira (7), e logo acionou o policiamento militar e civil

Informa Luiz Antonio que, ao abrir a porta da sala onde se encontra o cofre do banco, constatou vários furos na parede, aparentemente feito com furadeira. Informa ainda que atrás do cofre havia um buraco de mais ou menos 60 centímetros. Narra que, ao abrir o cofre, constatou que havia sido subtraído cerca de R$ 900 mil. Ele revelou que os alarmes e sensores não dispararam. Não há indícios quanto à autoria do fato.

Mas, o delegado mostrou ao Diário as fotos dos quatro elementos, todas muito nítidas. Um deles, de cavanhaque. Outro, de boné. Ambos, descontraídos, mostrando os rostos, percorrendo o entorno do BB. Borrifaram desodorante em uma das câmeras da Clínica Odontológica Volte a Sorrir, e em uma das câmeras do Chaveiro do Caju (na esquina), daí adentraram em um corredor que divide o Restaurante King’s Bar e um Buffet.

Os criminosos analisaram todo o entorno do BB. E taparam uma das câmeras do Chaveiro do Caju com desodorante spray
Também borrifaram desodorante spray na câmera da Clínica Odontológica Volte a Sorrir (canto à direita, acima)

E, claro, sem câmeras no interior do Banco, sem vigias, souberam chegar, como se já conhecessem, o interior da agência, que o delegado disse ‘ser um labirinto’, chegaram em um dos cofres, cortaram com martelete e um esmeril, e nada encontraram. Foram para um outro corredor, e perfuraram uma parede muito grossa, tendo acesso a outro cofre – sabiam perfeitamente a localização – e, nele sim, levaram quase R$ 1 milhão.

Um casamento estava ocorrendo naquela noite, na Igreja-Matriz de São João. Os criminosos devem ter trabalhado com ‘tranquilidade’, fora pela facilidade oferecida pelo BB. Suspeita-se que eles ter informações privilegiadas do interior do BB e de seus cofres.

O delegado Ricardo disse que as fotos estão sendo distribuídas pelas DIGs de Barretos, Ribeirão Preto, São Paulo. Ele espera identificar e prender todos em breve.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Pelo que percebi na vigilância do Banco do Brasil de Olímpia, mesmo nos horários de funcionamento não deve ser difícil entar armado lá, pois já por várias vezes testemunhei os vigias liberando a entrada de pessoas mesmo com o sensor apitando, pra mim isso é irrelevante, agora em finais de semana sem vigilância armada, fica uma moleza, os indivíduos curtindo com a ineficiência dessa instituição, tomara que agora os outros bancos se previnem mais! !!!!

  2. Justamente !!!!!! O Banco não se importa já que não existia medidas efetivas de segurança, sendo assim adivinhe quem vai pagar essa conta no final ?????

DEIXE UMA RESPOSTA