A IstoÉ Dinheiro, em matéria assinada por Luana Meneghetti, estampou que “Olímpia quer se tornar a meca do turismo low cost através do Grupo Natos”, trazendo como destaque o CEO do Grupo Natos, Rafael Almeida. O Diário, pelo importância da matéria de alcance nacional e fora do País, reproduz:

Em 1950 a Petrobrás estava à procura de poços de petróleo no interior do Brasil. A cidade de Olímpia, a 440 quilômetros da capital paulista, era um dos alvos. A petroleira, no entanto, não teve sucesso na busca e o único recurso encontrado foram as fontes termais com temperaturas de 26°C a 38ºC.

Empresários da região logo transformaram as águas em atração turística. Hoje, 2,5 milhões de visitantes injetam anualmente R$ 250 milhões na economia de Olímpia.

Mas o jovem empresário Rafael Almeida, de 37 anos, CEO do grupo Natos, planeja diversificar e intensificar o turismo local nos próximos anos. Ele acaba de se tornar sócio do Grupo Dreams, de Gramado (RS), responsável pelos museus de cera de Boston e Cancun, além do que existe na própria cidade de origem.

Rafael, agora detentor de 49% da empresa gaúcha, quer levar para Olímpia novidades como o Parque dos Dinossauros e o Museu de Cera. Juntos os dois investimentos somam R$ 55 milhões. “Nossa ideia é criar atrações que vão além das águas quentes”, conta ele. “A cidade precisa de diversidade para reter os turistas.”

As obras estão previstas para terminar em 2020 e, com isso, a cidade deve receber cerca de 6 milhões de visitantes até 2024, o dobro dos atuais, segundo cálculo da Secretaria de Turismo de Olímpia.

O empresário também tem outro projeto em parceria com o Parque Aquático Thermas dos Laranjais para a implantação de uma área parecida com o resort Disney Springs, de Orlando.

Imóveis em cotas Com um faturamento ainda tímido de R$ 220 milhões por ano, Rafael programa um investimento de R$ 700 milhões nos próximos cinco anos para transformar todos seus projetos em realidade.

Além das atrações, ele também investe na construção do complexo de apartamentos Enjoy Olímpia Park Resort e Solar das Águas Park Resort – os maiores em número de quartos da cidade. O primeiro está projetado para ter 912 apartamentos, mas apenas as duas primeiras torres, com 456 apartamentos, já foram entregues.

Outras duas serão finalizadas este ano. Já o Solar das Águas, com mil apartamentos, abre as portas apenas no próximo ano. Juntos, eles terão capacidade para hospedar cerca de 5 mil pessoas. Os imóveis serão vendidos por meio de cotas.

Ou seja, um grupo de pessoas é dono do mesmo patrimônio. Com isso o valor que cada comprador investe varia de R$ 30 mil a R$ 70 mil. “Nosso negócio está configurado para famílias da classe C e D, com renda mensal de 7 mil. Não temos intenção de ter um produto para classe A”, diz Rafael. Os dois empreendimentos do Grupo acumulam um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 1,1 bilhão.

A ideia de aumentar o potencial de acomodação partiu do empresário Benito Benatti, presidente e fundador do Thermas dos Laranjais – hoje o 3º parque mais visitado do mundo. O número de visitantes que era de 1,5 milhão até 2017 foi para dois milhões no ano passado.

Para resolver o problema de hospedagem, Benatti iniciou conversações com a W Palmerston Holding, de Caldas Novas, e Rafael Almeida foi convidado pelo empresário Waldo Palmerston, seu amigo, para gerenciar os investimentos.

Com o avanço das negociações, ele fundou o Grupo Natos em 2012, formado pela própria W Palmerston com a Griffe Investimentos e ABL Prime. Agora, no entanto, seu foco vai muito além da hospedagem: ele quer transformar Olímpia na meca do turismo low cost”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA