A Secretaria de Saúde de Olímpia dará início, nesta quarta-feira (9), na terceira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, que contempla pessoas com comorbidades; com deficiência permanente; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso; forças de segurança e salvamento; forças armadas; funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade e adolescentes e jovens (12 a 21 anos), sob medidas socioeducativas.

Com isso, o público-alvo pode procurar as Unidades Básicas de Saúde, de segunda a sexta, das 8h às 16 horas, com exceção das UBS Valter Stuk (Cohab IV) e Waldemar Lopes Ferraz (Tropical II), que continuarão exclusivas para a vacinação da primeira etapa de gestantes e crianças.

Para receber a dose, o morador deve apresentar a carteirinha de vacinação e documento com foto. Os profissionais inseridos na terceira etapa deverão apresentar documento que comprovem o exercício laboral. A saúde ressalta que o público inserido nas primeiras etapas e que ainda não receberam a dose podem procurar os postos de vacinação.

De acordo com dados do Painel do Ministério da Saúde, em Olímpia, já foram imunizadas 9.432 pessoas, o que representa 41,2% do público total, que é de 22.876. O balanço demonstra também que foram imunizados 1.053 profissionais da saúde, equivalente a 70,9%. Os dados demonstram ainda que foram vacinadas 54 puérperas (mulheres no pós-parto), ou seja, 63,5%.

Já a vacinação das crianças entre 6 meses a menores de 6 anos representa 59,4% de cobertura vacinal, tendo sido imunizadas 2.251 integrantes do público. Já as gestantes somam 279 imunizadas, ou seja, 53,9%. Em relação a idosos, já foram vacinados 5.275, o que corresponde a 51,4% e professores somam 520, ou seja, 72,1%.

Em caso de dúvidas, o morador integrante do público-alvo pode entrar em contato com a secretaria de Saúde pelo telefone (17) 3279-1400.

Terceira etapa

A terceira e última fase da campanha começa hoje, quarta-feira (9) e abrangerá cerca de 22 milhões de pessoas. Desta vez, os alvos serão integrantes das Forças Armadas, de segurança e de salvamento; pessoas com comorbidades, condições clínicas especiais ou com deficiência permanente; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário; trabalhadores portuários; funcionários do sistema de privação de liberdade; população privada de liberdade; e adolescentes em medidas socioeducativas.

Até o fim da campanha, em 9 de jullho, a expectativa do Ministério da Saúde é distribuir 80 milhões de doses da vacina influenza trivalente, produzida pelo Instituto Butantan, para imunizar um público-alvo de 79,7 milhões de pessoas. Desse total, até agora, 28,3% do público foi alcançado.

Cepas do vírus

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a gripe (influenza) pode ser leve, grave ou até fatal. “Estima-se que as epidemias anuais dessa doença causem de 3 a 5 milhões de casos graves e de 290 mil a 650 mil mortes no mundo”, diz a Organização.

Prevenção

A medida mais eficaz para prevenir a influenza grave e suas complicações é a vacinação. Como os vírus da gripe mudam constantemente, é necessário o desenvolvimento a cada ano de novas vacinas específicas para a cepa (tipo) do vírus que está circulando. No caso do Brasil, essas vacinas são produzidas anualmente pelo Instituto Butantã.

As outras importantes ações preventivas recomendadas pelo Ministério da Saúde são as mesmas que comprovadamente funcionam contra a covid-19: limpar as mãos regularmente, evitar tocar nos olhos, nariz ou boca; manter distanciamento físico de outras pessoas; cobrir a boca e o nariz com o cotovelo ao tossir ou espirrar, inclusive de máscara.

Histórico

Na primeira etapa da campanha, que começou em 12 de abril, voltada para crianças de seis meses a seis anos, povos indígenas, trabalhadores da área da saúde, gestantes e mulheres puérperas (que estão no período de até 45 dias após o parto), a adesão também foi abaixo do esperado. Apenas 6,9 milhões das 27,3 milhões de doses distribuídas, foram aplicadas o que representa, segundo o Ministério da Saúde, 25% de adesão.

Covid-19

Como duas campanhas de vacinação em curso simultaneamente, a da gripe e da covid-19, a orientação do Ministério da Saúde é que a vacinação contra o novo coronavírus seja priorizada nos grupos liberados para receber essa imunização. Nesses casos, a vacina influenza, deve ser tomada depois, respeitando um intervalo mínimo de 14 dias entre elas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here