O renomado advogado olimpiense Ivo Aidar lembra aos colegas advogados da cidade e região de que, amanhã, quinta-feira (25), haverá o pleito eleitoral para o próximo triênio para a escolha da nova chapa da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional São Paulo (OAB-SP), e que o seu apoio é a Chapa 14, para presidente Patrícia Vanzolini e vice Leonardo Sica, que já esteve em Olímpia reunido com colegas no Dat Badan Restaurante, fazendo uma crítica fundamentada da situação da Ordem e da necessidade de mudança.

A seccional de São Paulo é a maior do país e conta com 400 mil advogadas e advogados inscritos, com cerca de 350 mil deles aptos a votar. Ao contrário de alguns Estados, a OAB-SP ainda não tem eleição digital (o que foi um erro da atual gestão), portanto será através de urna eletrônica.

“Estaremos resgatando a verdadeira advocacia, reconstruindo a nossa Ordem, tornando-a novamente ativa, plural e representativa, como bem frisa Patrícia Vanzolini durante a trajetória eleitoral”, afirma Ivo.

Ivo Aidar, Sica e advogadas de Olímpia

Essa chapa tem o apoio também de outros advogados renomados de Olímpia, igualmente com banca na capital, como Luiz Silvio Moreira Salata e Carlos Miguel Aidar.

“OAB-SP está desconectada do século 21”, afirma Patrícia Vanzolini. A advogada Patrícia Vanzolini encabeça a chapa “Muda OAB/SP”. Uma de suas principais bandeiras de campanha é promover a modernização da seccional paulista da OAB. Ela atua na área criminal e leciona em universidades e cursos preparatórios para a prova da Ordem.

“É assustador como uma entidade desse tamanho, com esse orçamento, uma receita de R$ 344 milhões, um orçamento que é maior que metade dos municípios de São Paulo, não tem procedimentos de transparência, de compliance, de boas práticas, de fiscalização de contratos, de fiscalização de contratações, enfim, processos de governança”, afirma Patrícia.

Ivo Aidar concorda: “Já vivemos a época de ouro do Advocacia. Não temos medo de perder, o que não podemos é nos acovardar. Todos de Olímpia, da nossa região, conhecem o nosso trabalho e quando temos à frente um presidente arrojado, corajoso, que não tem medo de dar passos gigante, também somos gigantes. Veja, por exemplo: cadê a nossa OAB dando a sua posição em importantes assuntos nacionais, ou mesmo locais? Completo silêncio e ostracismo”.

Patrícia Vanzolini vai na mesma linha crítica de Ivo Aidar. Ele é crítica da atuação da atual gestão durante a crise sanitária imposta pelo avanço da Covid-19 no país e sustenta que faltou diálogo entre a entidade e as autoridades constituídas. “Quando se escolheu, por exemplo, por razões sanitárias, que os fóruns ficariam fechados e, no entanto, nós víamos bares abertos, shoppings centers abertos, é algo que causa espécie, e nós sentimos que não houve firmeza da OAB em se posicionar e deixar claro que o Judiciário é uma atividade essencial”, pontuou.

IMPORTÂNCIA DA MULHER À FRENTE DA OAB-SP

Ivo Aidar assinala, ao Diário, que acha importante que haja uma mulher à frente da OAB-SP. Patrícia, em recente entrevista também endossa essa necessidade da Ordem tem uma mulher à frente da OAB-SP porque “as mulheres hoje representam mais que 50% dos inscritos na Ordem e acho que esse número tem que ser estampado nos quadros de direção da Ordem. Por 90 anos nós não tivemos uma mulher, o mundo mudou muito desde 1932 e é preciso que a diretoria, que toda a gestão da Ordem, mas especialmente a diretoria, espelhe esse novo mundo”.

Leonardo Sica em Olímpia com advogadas e advogados

Vanzolini acrescenta que “acho que colocar uma mulher num posto de comando, em primeiro lugar, é importante porque espelha uma mudança e também é importante porque potencializa uma mudança necessária na sociedade. Creio que a OAB, elegendo uma mulher, de alguma forma sinaliza para a sociedade a importância e os efeitos benéficos de ter uma mulher em postos de comando e de gestão”.

ELEIÇÕES DA OAB-SP

Patrícia Vanzolini, Chapa 14

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) realiza eleições em todas as subseções e na seccional de São Paulo no dia 25 de novembro para escolher os advogados que administrarão a entidade no estado pelos próximos três anos, de 2022 a 2024.

Pela primeira vez na história das eleições da OAB, a composição das chapas deve considerar a paridade de gênero e o sistema de cotas, medidas aprovadas pelo Conselho Federal em novembro de 2020. Além disso, essas eleições devem se dar no contexto das restrições e exigências impostas pela Lei Geral de Dados Pessoais (LGDP).

A eleição está marcada para 25 de novembro, das 9h às 17h. O voto é obrigatório e será feito por meio de urna eletrônica nas 253 subseções do interior e em 14 pontos de votação na capital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here