O Rio Grande do Sul não poderia faltar no 53º Festival do Folclore de Olímpia, que será realizado de 5 a 13 de agosto, na Praça de Atividades Folclóricas e Turísticas “Professor José Sant´Anna”. Um dos estados encantadores, devido suas roupas sua música, estará representado este ano por dois grupos inéditos: o Centro de Pesquisas e Folclore – CPF Piá do Sul, de Santa Maria, e o Grupo de Arte e Tradição Estampa Gaudéria, de Xangri-lá.

Pia-do-Sul-(2)O CPF Piá do Sul foi fundado em dezembro de 1957, por um grupo de jovens estudantes, com a finalidade de pesquisar as tradições do Rio Grande do Sul. O objetivo inicial da entidade era cultuar as tradições do Rio Grande do Sul, difundido sua história, costumes e folclore. O CPF é reconhecido como Utilidade Pública Estadual e Municipal, com Registro como Empreendedor Cultural Estadual e Municipal. Registrado também na Secretaria de Trabalho, Cidadania e Ação Social, conquistou o Selo de Qualidade e Autenticidade “ISO TCHÊ” concedido pela Fundação Cultural Gaúcha.

O Centro conta com quatro Invernadas de Danças Gaúchas: Invernada Xirú; Invernada Adulta; Invernada Juvenil e Invernada Mirim. E ainda possui uma escolinha para formação de peões e prendas dançadores. Atualmente, o CPF Piá do Sul é bicampeão do Desfile Farroupilha de Santa Maria, Tricampeão do ENART e Tricampeão do JUVENARTE.

Já o Grupo de Arte e Tradição Estampa Gaudéria foi fundado em 2004 com o lema “A tradição no litoral é o nosso ideal”. As cores do grupo são verde, azul, amarelo, vermelho, preto e branco, e o símbolo é o mapa do Rio Grande do Sul com um Quero-quero de asas abertas no centro, e na lateral direita ondas bordadas, representando o oceano que banha o litoral norte do Estado.

O Estampa Gaudéria é uma entidade sem fins lucrativos, sem distinção de raça, credo, condição social e outros, que busca cada vez mais agregar pessoas, pois não tem porteira, como qualquer entidade tradicionalista. Hoje, conta com quatro invernadas: Pré-mirim, Mirim, Juvenil e Veterana.

“É um grupo que vem representando de maneira gloriosa nossa Xangri-Lá. Conquistamos muitos troféus como lembranças de boas colocações em rodeios e festas artísticas”, conta a coordenadora Cláudia Francisca Gomes Sanna.

“Nosso grupo possui variada faixa etária, demonstrando através da dança e do laço o que é ser gaúcho, o que é ter tradição, o que é preservar a cultura, o que é ter história e fazer parte dela, o que é ter raízes”, completa Cláudia.

Com esses grupos do Rio Grande Sul, o Festival do Folclore já tem confirmado quatro grupos. Na semana passada, a Comissão Organizadora confirmou a participação do Grupo de Tradições Populares de Acauã da Serra, de Campina Grande – Paraíba, que retorna à festa depois de quatro anos, e o Brasil Central, de Anápolis – Goiás, que faz sua estreia esse ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here