Por Ivanaldo Mendonça – O tempo pascal, celebrado ao longo dos cinquenta dias a partir da Páscoa, culmina com a celebração de Pentecostes, a solenidade do Divino Espírito Santo. O sentido e significado desta celebração esta profundamente ligado às raízes da fé cristã. O Espírito Santo, terceira pessoa da Santíssima Trindade, presente desde todos os tempos, procede do amor do Pai e do Filho, como dom e expressão da íntima comunhão entre Eles.

Agindo desde a criação, por obra do Espírito Santo, Maria acolhe, em seu ventre, o Filho de Deus feito homem. Ele sustenta a Jesus no combate contra as forças do mal, no deserto; no Batismo de Jesus manifesta-se em forma de pomba; Na força do Espírito Santo Jesus cumpre a missão de anunciar a boa nova do Evangelho; é anunciado como O defensor dos discípulos; como línguas de fogo paira sobre os apóstolos, move-lhes o interior, impulsionar o nascimento da Igreja.

Lucas organiza sua obra literária, que compreende o Evangelho e os Atos dos Apóstolos, em três tempos. O tempo da promessa, o Antigo Testamento, no qual destaca a ação de Deus-Pai, o tempo do cumprimento, os Evangelhos, no qual destaca a ação de Deus-Filho, e o tempo da Igreja, no qual destaca a ação de Deus-Espírito Santo.

Os Atos dos Apóstolos dedica-se, de maneira especial, a narrar a ação do Espírito Santo sobre os apóstolos cuja missão é prolongar a ação salvadora de Jesus, ao longo dos tempos, pelo anúncio e testemunho do Evangelho.

A ação do Espírito Santo perpassa toda a história da salvação e, em nossos tempos manifesta-se como dom sublime a manter, guiar, sustentar e conduzir os passos de cada discípulo de Jesus e de todos os discípulos de Jesus, a Igreja viva.

Através dos sinais eficazes da graça, os sacramentos, o Espírito Santo age, em e através de cada discípulo do Senhor. Pelo Batismo, faz-nos filhos adotivos do Pai, irmãos de Jesus, livres da mancha do pecado original, membros da Igreja, Seus templos vivos; pela Eucaristia abastecer-nos do próprio Cristo; pelo Crisma fortalece-nos para a missão; pela Reconciliação purifica-nos do pecado diário; pelo matrimônio gera a família na fé; pela Ordem, gera pastores para a Igreja; pela unção dos enfermos, conforme os sofredores.

Por conta própria não conseguimos falar ao coração de Deus, perdemo-nos. O diálogo com o Senhor deve sempre ser precedido pela oração ao Espírito Santo, o consolador. Erroneamente dizemos ‘invocar o Espírito’, como se pudéssemos controlá-Lo; correta é a expressão ‘clamar o Espírito Santo’, sugerindo implorar que venha em nosso auxílio, preencha-nos com Seu fogo abrasador, possibilitando que falemos, verdadeiramente, ao coração do Pai e saibamos ouvir, acolher, processar e viver Sua vontade.

Sozinhos não! Na força do Espírito Santo! Sempre!

Ivanaldo Mendonça
Padre, Pós-graduado em Psicologia
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here