Por Ivanaldo Mendonça – O grupo, formado por pessoas de diferentes países deveria, sem o uso da fala, cumprir uma tarefa: partindo da observação, identificar a nacionalidade uns dos outros. De pronto fomos identificados. Por que? “Vocês têm o jeitinho brasileiro”.

A busca por entender a resposta conduziu-me ao conceito de cultura: “o complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridas pelo homem como membro dede uma sociedade”.

Na base da cultura estão os valores, referências de uma sociedade, grupo ou organização. A cultura expressa e materializa aquilo que se considera importante, essencial.

No mundo coorporativo cultura é o conjunto de valores expressos em elementos simbólicos e práticas que, em sua capacidade de ordenar, atribuir significações, construir a identidade organizacional, tanto agem como elementos de comunicação e consenso, como expressam e instrumentalizam relações de dominação”.

O mapeamento dos cinco principais traços e características do estilo brasileiro de administrar, possibilita-nos ir além, entendendo a alma do povo brasileiro, tendo em vista colaborar na superação de tantos problemas.

1º Hierarquia: Temos a tendência à centralização de poder nos grupos sociais; distanciamo-nos dos diferentes e, mais, dos contrários; os classificados como ‘inferiores’ aceitam passivamente esta condição;

2º Personalismo: Nossas relações são profundamente marcadas pelo domínio do afeto e paternalismo. Em geral, não perseguimos metas e objetivos de forma imparcial; burlamos regras, queimamos etapas, mentimos e omitimos, favorecemos ou desfavorecemos alguém conforme nosso envolvimento afetivo.

3º Malandragem: Sujeitamo-nos a tudo a fim de que nossos objetivos sejam atingidos. ‘Jeitinho brasileiro’ é sinônimo de malandragem, revestida de flexibilidade, buscando sempre, levar vantagem sobre os demais;

4º Sensualismo: A sedução, da intelectual à física, está entre os principais artifícios em nossas relações;

5º Aventureiro: O espírito aventureiro, revestido por uma capa de otimismo revela que somos exímios sonhadores, porém, nada disciplinados, não materializamos a consecução de objetivos em estratégias. Somos avessos ao esforço, ao trabalho manual e metódico. Em geral, vemos trabalho como sinônimo de castigo;

Tenho vergonha do ‘jeitinho brasileiro’. Os traços e características comportamentais atrelados a este simpático, porém, depreciativo conceito, cujas raízes foram lançadas nos primórdios de nossa história, revelam o quanto ainda temos a superar, tanto individual quanto coletivamente.

Ivanaldo Mendonça

Padre, Pós-graduado em Psicologia,

1 COMENTÁRIO

  1. Olá pe.Ivanaldo,estou por aqui,ė,estas questões mexe muito com cada um,a resposta está com cada sero humano,aí creio eu,apreender os bons costumes na minhã opinião comece deste cedo dentro de cada lar seja qual for a classe social que pertence os seus pais,para ter e ser formado com os bons costume,ė preciso estar atendo a tudo que nos cerca,principalmente o sim,sim é os não,não dentro de cada lar,os filhos que ganham em casa com seus jeitinhos,perde de goliada na rua e mais triste ainda na vida.a resposta está em cada pai e cada mãe,no meu simples ponto de vista temos que usar todas as nossas forças na formação dos nossas crianças e jovens,penso que aí teremos famílias solidificadas,abraço ao amigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here