“O ano de 2020 foi um ano difícil para os parques temáticos, parques aquáticos e museus, que são, por natureza, dedicados a reunir as pessoas em grandes grupos. Em todo o mundo, devido à pandemia, a maioria desses locais foi fechada por períodos significativos em 2020, e o declínio acentuado no comparecimento foi o resultado inevitável. Ao mesmo tempo, operadoras e mercados têm mostrado notável resiliência e já estão no caminho da recuperação em 2021, considerado um “ano de recuperação” no que se prevê ser um ciclo de recuperação de três anos”.

Assim se manifesta o Índice Temático TEA/AECOM com resultados de 2020, colocando o Thermas dos Laranjais de Olímpia em primeiro lugar como o mais visitado da América Latina e mantendo o Hot Beach Olímpia em 9º lugar. Apesar da pandemia e dos sucessivos fechamentos na Estância Turística de Olímpia, acompanhando o Plano São Paulo de combate à pandemia, tanto o Thermas quanto o Hot Beach foram ‘resilientes’, conforme editorial do TEA/AECOM, um dos principais termômetros mundiais do segmento, agora em sua 15ª edição anual.

O estudo anual é produzido em colaboração com a Themed Entertainment Association (TEA) e a prática econômica da AECOM. A nova edição de 2020 foi lançada oficialmente ontem (22). Este relatório e todas as edições anteriores de 2006 estão disponíveis para download na íntegra, gratuitamente, no site da TEA e da AECOM.

“O Índice Temático TEA / AECOM e o Índice de Museu realmente definem o padrão de como nossa associação global atende à indústria global de lazer”, disse o presidente do Conselho Internacional da TEA, Chuck Fawcett, da Animax Designs. “Parques temáticos, parques aquáticos e museus são marcos do turismo cultural e motores do desenvolvimento econômico, e o Índice Temático TEA/AECOM fornece benchmarking crítico e contexto para os principais tomadores de decisão. A TEA valoriza sua parceria contínua com a AECOM e a capacidade de fornecer este recurso valioso para nossa comunidade empresarial”.

O Índice Temático TEA / AECOM de 2020 e o Índice de Museu estudam o setor por região (Américas, Ásia-Pacífico, EMEA), o mercado global como um todo e os principais operadores. O relatório traça e discute os efeitos da pandemia na indústria em 2020 e os sinais subsequentes de recuperação e inovação intensificada já iniciada.

“Não podemos esperar que a recuperação seja igual a um retorno instantâneo aos números de 2019: aqueles representaram um pico econômico, o melhor em cinco décadas. Uma expectativa mais realista seria atingir um nível comparável a uma média de vários anos pré-COVID”, acentua o relatório lançado ontem.

“Após a queda acentuada de 2020, podemos esperar que 2021 se manifeste como um ano de recuperação e que 2022 dê início a uma recuperação real. Em 2023, as expectativas dos hóspedes aumentarão e as operadoras devem planejar e fazer um orçamento para reinvestimento de acordo”, analisa o TEA/AECOM.

AS AMÉRICAS – PARQUES TEMÁTICOS E PARQUES AQUÁTICOS

Nos Estados Unidos, a maioria dos parques temáticos e aquáticos foram abertos em 1º de janeiro de 2020, mas fecharam em meados de março. Os 20 principais parques temáticos da América do Norte tiveram uma queda total de público de -72%.

O fechamento e a reabertura eram regulamentados pelo Estado. Os parques da Flórida começaram a reabrir no início do verão de 2020, com limites de capacidade. Na Califórnia, a maioria dos parques permaneceu fechada ao longo de 2020.

Marina Hoffman, Analista Sênior, Consultora de Hotelaria, Economia, AECOM disse: “A dor se espalhou pela indústria, bem como pela base de fãs. Mas assim que os parques puderam reabrir, os visitantes voltaram em grande número e os operadores se adaptaram. Embora economicamente prejudicado pela pandemia e agora enfrentando desafios de pessoal e operações, o setor olha para o futuro. Os principais operadores de parques temáticos e grandes redes – incluindo Disney, Universal, Six Flags, Cedar Fair e Herschend – continuaram com projetos de construção, inaugurações de novas atrações e planos para o futuro. Mesmo no setor de parques aquáticos duramente atingido, há um incentivo para novos desenvolvimentos”.

Parques temáticos, parques de diversões e parques aquáticos em todo o mundo lutou em 2020. Devido à pandemia COVID-19, eles estavam fechado em parte, senão em todos os períodos de operação. Este relatório estuda os parques mais frequentados e a maioria deles os principais ‘players‘ normalmente operam durante todo o ano.

Os 20 principais parques temáticos da América do Norte tiveram uma queda de 72% em
números de atendimento.

Marina Hoffman, do TEA/AECOM analisa: “No momento em que escrevo, em setembro de 2021, a maioria dos parques nas Américas têm está aberto para a temporada e está indo bem. Os limites de frequência têm em grande parte foram eliminados, com os maiores operadores relatando alguns dias que medir até os níveis de 2019, economicamente falando. O índice temático sendo um estudo do ano civil, o relatório do próximo ano apresentará os números de 2021”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here