As escolas de samba da Estância Turística de Olímpia levaram brilho, colorido e alegria para a Avenida Aurora Forti Neves, nas noites de domingo e terça-feira, no trecho onde foi montada a estrutura do CarnaOlímpia 2020. Afinal, três delas receberam, cada uma R$ 31.553,52 de subsídio da Prefeitura (exceto SambArena).

O público marcou  presença e aguardava ansioso para acompanhar as agremiações, mesmo com considerável atraso nos intervalos que chegou a quase uma hora de espera.

A Sambarena, agremiação que fez sua estreia este ano no Carnaval, abriu as duas noites de desfiles.  Com o tema “Cultura Pop”, a novata, fundada em 2018, levou para a avenida cerca de 70 integrantes, sendo 40 na bateria. E foi a única pontual a desfilar na Avenida.

A escola ainda apresentou um carro alegórico com o destaque Marcos Gil, uma ala de crianças e uma ala de turistas em parceria com o Enjoy Hotéis. Yasmin e Alifh José Silva Paula estavam à frente da escola como casal de porta-bandeira e mestre-sala.

A Sambarena é presidida por Marcos Ribeiro e tem como carnavalesca a comerciante Rúbia Louzada. A agremiação nasceu de um projeto social e não recebeu verba pública para participar do CarnaOlímpia deste ano.

A Samba Sem foi a segunda escola a desfilar no domingo e a última a entrar na avenida na noite de terça-feira. Trata-se da mais antiga escola de samba em atividade no Carnaval olimpiense, com 45 anos ininterruptos. Hoje, a presidência está a cargo de Calato Monteiro e a bateria tem como mestre Ricardo Maluf.

Com o tema ECO Samba, a escola levou para a passarela do samba cerca de 100 integrantes. O tema mostrou a importância do cuidado com a natureza e conscientização, através da magia do Carnaval.

Além da bateria, a agremiação ainda apresentou um carro alegórico com destaque para Alex Ruiz, a rainha de bateria Dani Bonni, mestre-sala e porta-bandeira.

Também destaques da Samba Sem são os cantores Sheila Pereira e Wadão Marques, que este ano interpretaram o samba-enredo “Essa Fada”.

A Unidos da Cohab foi a terceira escola a desfilar na noite de domingo e a segunda na terça-feira. Fundada em 1982, a agremiação é presidida atualmente por Francisco Pereira. O diretor de bateria é Jocimar Castro e o mestre de bateria é Roberto Mariano da Silva.

Este ano, a escola trouxe o tema “Fênix – O Renascimento”. O samba enredo “Sou Fênix, Sou Ave Guerreira”  é de autoria de Ricardo Alexandre Roza. A Unidos passou pela avenida com cerca de 100 integrantes.

Depois da comissão de frente, coreografada pela bailarina Joice Santos, um carro alegórico trouxe como destaque a advogada Iscila Piton, seguida de uma ala de baianas.

João Mariano da Silva e Talita Roberta Campos formaram o casal de mestre-sala e porta-bandeira. A rainha de bateria, Jaqueline Rodrigues Campoci, mostrou samba no pé, beleza e simpatia.

Com o tema “Folclore Brasileiro”, a Acadêmicos do Samba encerrou a primeira noite de desfile e, na terça-feira, a agremiação foi a terceira. Fundada em 2015, a Acadêmicos entrou na avenida comissão de frente e com um carro alegórico destacando a festa de Iemanjá.

Depois, outro carro trouxe duas esculturas dos Bois Garantido e Caprichoso, representando a festa de Parintins.

Foram 150 integrantes, divididos em alas que mostraram o frevo, a festa da cavalhada, a festa do boi-bumbá e o maracatu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here