O portal da Revista Exame trouxe na manhã de ontem (18), nova reportagem abordando a Estância Turística de Olímpia e investimentos que estão chegando (como já noticiados pelo Diário ontem e sempre em destaque). Mais uma vez, o centro das atenções volta-se para o CEO Rafael Almeida (Grupo Natos).

O título da reportagem, assinada pela jornalista Karin Salomão, foi a seguinte: “O empresário que quer transformar Olímpia, em SP, na Orlando brasileira”.

O Diário, mais uma vez, a reproduz, tendo em vista o interesse da Estância:

Dinossauros gigantes, bar de gelo e museu de cera são algumas das atrações voltadas a transformar Olímpia, no interior de São Paulo, na Orlando brasileira. Os empreendimentos são iniciativa de Rafael Almeida, empresário do ramo de construção e mercado imobiliário, para garantir visitas à cidade durante todo o ano – e encher os quartos de hotel do seu grupo, Natos.
A cidade paulista, com apenas 54 mil habitantes, recebe cerca de 3 milhões de turistas todos os anos. A maior parte dos turistas brasileiros se dirige ao Thermas dos Laranjais, o 3º maior parque de águas termais do mundo. Já a cidade do Mickey Mouse na Flórida, Estados Unidos, recebeu mais de 72 milhões de turistas em 2017.
O parque tem mais de 300 mil metros quadrados reúnem cerca de 50 atrações como complexos de toboáguas, piscina de surfe, duas praias artificiais, rio de correnteza e parque infantil, além da única montanha-russa aquática do Brasil. Todos os brinquedos são abastecidos com água quente natural.
Recentemente, inaugurou um complexo de toboáguas, chamado Lendário, com um investimento de milhões de reais. Até 2021, o plano é inaugurar 40 novas atrações em uma área anexa de 70 hectares, três vezes o tamanho atual do parque.
Entre as novas atrações trazidas pelo empresário para a cidade, está o Vale dos Dinossauros, que deve abrir no primeiro semestre de 2019 e terá investimento de 15 milhões de reais. São 32 réplicas dinossauros animadas.
O Museu de Cera terá cerca de 100 estátuas, que são confeccionadas nos Estados Unidos e Inglaterra a partir das medidas dos famosos. No Dreams Ice Bar (Bar de Gelo), a temperatura será de -10ºC, para manter as 50 toneladas de gelo usadas na decoração.
Sem camas
Antes de pensar nas novas atrações, Rafael Almeida e outros empresários da cidade precisaram solucionar um outro problema. Não havia quartos de hotel para todos os visitantes. Em 2002, a cidade tinha 687 leitos.
O Grupo Natos, presidido por Almeida e formado por três grupos incorporadores, W Palmerston, Griffe Investimentos e ABL Prime, tentou resolver a questão. Com faturamento estimado de 220 milhões de reais em 2019, os investimentos da companhia são superiores a 1 bilhão de reais, relacionado à construção de dois resorts em Olímpia até 2021.
Um dos empreendimentos Enjoy, já está em operação e o outro, Solar das Águas Park Resort, está em construção. Juntos, terão capacidade para receber até 10 mil hóspedes.
Inspirados no modelo que é usado em Caldas Novas, cidade em Goiás conhecida por águas termais, o grupo investe em complexos multipropriedade. Diferente da operação de um hotel, a propriedade é vendida para visitantes ou investidores. Nesse caso, para vários proprietários diferentes, cada um com direito a ocupar o local por um mês semanas durante o ano.
A construção dos empreendimentos foi necessária para que o parque aquático pudesse continuar crescendo. A inauguração de três grandes resorts em 2018, não apenas do grupo Natos, ampliou a capacidade hoteleira do município de 9.906 leitos para 17.742 leitos de hospedagem no ano.
Vista aérea de Olímpia
A cidade, hoje, tem capacidade para receber 5 milhões de turistas por ano. “Agora a rede hoteleira chegou, não corremos mais risco”, afirma Rafael Almeida.
Em 2018, 2,6 milhões de turistas ficaram hospedados na cidade de Olímpia, aumento de 29% em relação à ocupação de 2017. São 167 mil pessoas por mês em média, mais de três vezes a população da cidade.
Atrações para o inverno
Agora, o obstáculo é outro. Como o principal atrativo da cidade de Olímpia é o parque aquático, o desafio é conquistar turistas durante todo o ano, não apenas no verão, e ocupar todos os novos imóveis e quartos de hotel. O desafio também é tornar a cidade interessante para viajantes diferentes, já que o principal público do parque são famílias com crianças pequenas.
Almeida entrou em contato com alguns grupos de parques para trazer suas operações para a  cidade. “Tentamos levar o Playcenter e o Parque da Mônica, mas com a crise não tivemos o financiamento necessário para isso”, afirma ele.
Em 2018, firmou uma parceria com o Grupo Dreams, que tem atrações em Gramado, no Rio Grande do Sul. para trazer novos parques, museus e empreendimentos para Olímpia.
O grupo gaúcho possui cinco atrações na Serra Gaúcha (Hollywood Dream Cars, Dreamland Museu de Cera, Harley Moto Show e Vale dos Dinossauros), além de atrações em Foz do Iguaçu, Caldas Novas/GO, Aparecida/SP, Cancun, no México, e Boston, nos Estados Unidos.
O Dreams terá 51% de participação e dos resultados dos novos empreendimentos, enquanto Almeida e outros dois investidores ficarão com 49%.
“Olímpia precisa de outros atrativos além das águas termais. Estamos trabalhando para que a cidade se torne um destino turístico importante”, afirma o gerente de projetos do Grupo Dreams, Ícara Pereira Cardoso.
Almeida também possui outros empreendimentos na cidade. É franqueado das redes de alimentação Burger King e Rock and Ribs, que deverá inaugurar este ano. Também traz atrações temporárias, como pista de patinação no gelo e brinquedos infláveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here