Virna Heloísa Rodrigues de Mendonça não é uma mãe qualquer. Ela vai carregar pelo resto da vida, assim como a sua filha e o seu marido, o estigma de um drama familiar que foi revelado hoje (17), em detalhes, ‘ao vivo’ nas redes sociais do Diário de Olímpia (veja os dois vídeos abaixo), de como é conviver tentando manter o pais para detrás das grades por ter estuprado a sua filha (neta dele), em um hotel de Olímpia, ainda quando adolescente.

Ela tinha 16 anos. Hoje, aos 19, a vítima tenta manter uma vida normal, mas não está sendo fácil. Afinal, já se somam aos ‘bullyings’, às chacotas, e às pressões do pai-avô-estuprador, e ex-delegado de Polícia Civil (ele estava na ativa na época dos fatos), duas tentativas de suicídio por parte da jovem. A primeira, vinte dias após o estupro (até então os pais não tinham conhecimento do que ocorrera), e outro mais adiante.

E há parentes que ainda estão contra a luta, o ativismo, da mãe Virna.

Nesta segunda-feira, Virna veio com o marido, com uma camiseta pedindo por Justiça, pressionar o Judiciário a acatar o acórdão do Tribunal de Justiça que determina a prisão imediata do ex-delegado de Polícia Moacir Rodrigues de Mendonça, condenado a 18 anos e 8 meses em regime fechado. Até no final da tarde, não tivemos notícia se o mandado de prisão foi expedido.

O Diário tentou entrevistar ao vivo (e está gravado no primeiro vídeo) o advogado de Moacir, Ricardo, mas sem sucesso. Deu caixa postal. Mas, conseguimos falar com o advogado da vítima, Márcio Fábio, também por telefone, no viva voz, já no segundo vídeo.

Quer saber o drama todo? Assista e Compartilhe os vídeos.

ENTREVISTA MÃE VIRNA – Parte 1

ENTREVISTA MÃE VIRNA – Parte 2

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here