EXCLUSIVO – Olímpia é Estância Turística desde 2014 e se tornou o primeiro Distrito Turístico do Estado de São Paulo no início de setembro por ato do governador João Doria. Foi realizada dias atrás, no Palácio dos Bandeirantes, a primeira reunião para eleger o Conselho Deliberativo e Executivo e traçar a pauta das primeiras ações.

O prefeito Fernando Cunha, entrevistado com exclusividade pelo Diário nesta sexta (15), foi eleito o presidente do Conselho Deliberativo e, agora, o Conselho Executivo terá como presidente Ronald Remondy Júnior, do setor privado, ainda a ser empossado. A entrevista está ao final da matéria.

Na entrevista, o prefeito anuncia ações importantes para o Distrito, como a criação do Convention Bureau gerenciada pelos empresários e que possam criar uma taxa voluntária paga pelo turista para manter projetos e o destino Olímpia; o acréscimo de 1% no ISS (Imposto Sobre Serviços) de hotéis, parques e afins, para evitar de usar dinheiro público em ações turísticas; ciclovias em todo o quadrilátero da cidade (e um projeto de melhorias das respectivas avenidas); futuro aeroporto, duplicação de rodovias, novo trevo, e muito mais.

DISTRITO: ‘PENEIRANDO’ AS MELHORES ESTÂNCIAS

O prefeito Fernando Cunha explicou que no Estado de São Paulo há 70 Estâncias, nem todas com grande movimentação, mas que dão despesas para o Estado. Olímpia, que tem um grande movimento, cerca de 3 milhões de turista anualmente, recebeu R$ 2,23 milhões. “É muito pouco, o Governo do Estado tem dificuldade politicamente em alterar esse número de Estâncias, efetivamente colocar recursos públicos e políticas do Estado em destinos que tenham muito fluxo turístico, como é o caso de Olímpia, Aparecida, Brotas, Campos do Jordão, Serra Negra, então não serão 70 e sim 30, por exemplo, daí criaram essa nova forma de organização: os distritos turísticos, e Olímpia é o primeiro do Estado”, explicou Fernando.

Fernando Cunha, deputado Geninho Zuliani, na reunião do trade, no Palácio

O Distrito, segundo ele, é uma forma de unir o setor público com o privado, criando um colegiado. Em recente reunião no Palácio dos Bandeirantes, que o Diário noticiou em primeira mão (desde quando o governador João Doria anunciou na inauguração do Solar das Águas), o prefeito Fernando Cunha, eleito o primeiro presidente desse Conselho, apresentou uma extensa pauta de projetos, ideias e intenções. E, por indicação dele, para o Conselho Executivo ficará como presidente, representando o setor privado, o empresário Ronald Remondy Jr – “vai ser uma espécie de gerente do Distrito, ainda será empossado”, revela Cunha.

AEROPORTO, CICLOVIAS, CONTORNO DE AVENIDAS

Depois, o próximo passo será contratar uma equipe para coordenar diversas frentes de trabalho e os projetos do Distrito. O prefeito de Olímpia colocou diante do ‘trade turístico’, do governador e secretários estaduais, diversos pleitos, entre eles o aeroporto (investimento de R$ 110 milhões, R$ 25 deles poderiam vir do Terminal de Passageiros privatizado), duplicações das rodovias, plano de ciclovias em toda a cidade e um projeto de contorno da cidade, ligando as principais avenidas.

“Saindo da Avenida Constitucionalista, atravessa a APAE, passa por trás do Santa Fé, Campo Belo, pega a Avenida do Linhão, depois corta para a Manoel Arruda, vai em direção ao Recinto do Folclore, Andrade e Silva, Aurora Forti Neves até a Represa do Recco, sai no Jardim Botânico, desce por trás para o Villa Lobos, e vem pelo Matadouro saindo no Veridiana e fecha no Clube de Campo”, explica o prefeito esse contorno de avenidas.

CONVENTION & VISITORS BUREAU: TAXA VOLUNTÁRIA DE TURISTA

Fernando Cunha ressalta que, além dessa pauta, ainda colocou na discussão um velho assunto (quase enterrado), o Convention & Visitors Bureau, dos empresários, para a criação, por exemplo, de uma taxa voluntária do turista para ser revertida em investimentos do setor (o Diário entrevistou Doria, ainda em campanha, em Olímpia, sobre isso, e ele apoiou).

Os Convention & Visitors Bureau são reconhecidos mundialmente como receita de sucesso para o fomento da atividade econômica e do turismo de negócios, através de entidades agindo na captação de eventos e na divulgação dos atrativos turísticos de uma cidade ou região para aumentar o fluxo de visitantes. Quando esteve em campanha em Olímpia, o então candidato a governador, eleito João Dória, defendeu o C&VB em entrevista ao Diário de Olímpia (quando foi presidente da Embratur, há muitos anos atrás, Dória incentivou essa instituição pelo País).

E, da parte da gestão pública, o prefeito quer aumentar 1% a mais o Imposto Sobre Serviços de parques, hotéis e similares. Em muitas Estâncias, o ISS é de 4%, em Olímpia caiu para 2%: “Não vai pesar 1% a mais, para podermos fazer melhorias sem mexer no dinheiro da Saúde, Educação, da cidade como um todo, não é justo”, revela Fernando.

“Por exemplo”, conta o prefeito, “queremos um ônibus com ar-condicionado e internet para turistas e para todos os olimpienses, e isso poderá ser pago com esse 1% a mais. Um por cento do ingresso do Thermas não é nada, mas de três milhões de ingressos serão R$ 6 milhões anuais, sem contar outros parques, como Hot Beach, Vale dos Dinossauros, entre outros”.

GRANDE ESTACIONAMENTO NA AURORA

Na entrevista exclusiva ao Diário, o prefeito revela outra intenção a ser consolidada pelo 1% a mais no ISS do Turismo: “um grande estacionamento depois do Córrego do Matadouro, perto do Clube de Campo, onde podem deixar carros, a Van, pegar um trenzinho e percorrer toda a Avenida Aurora, restaurantes, parques, atrações, e isso custa, acho justo o turista contribuir também, não vai atrapalhar os parques, nem hotéis”.

Confira a íntegra dessa entrevista ao Diário:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here